XXII CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA

24 a 29 de agosto 2008- Uberlândia, MG
Presidente: Evaldo Vilela – UFV/SECTES-MG
Secretário: Kleber Del Claro – UFU
Tesoureiro: José Magid Waquil – Embrapa Milho e Sorgo

Organização:
UFV – Universidade Federal de Viçosa
UFU – Universidade Federal de Uberlândia
Embrapa Milho e Sorgo
 

A IDADE DA NINFA PODE ESTAR RELACIONADA COM A ESCOLHA DO HABITAT? RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO DAS NINFAS DE ANACRONEURIA DEBILIS (PICTET, 1841)(INSECTA, PLECOPTERA, PERLIDAE) E A ESCOLHA DE HABITAT

 

Autores:
AVELINO-CAPISTRANO, FERNANDA SILVA, BARBOSA, LEANDRO SILVA
Areas
: [Ecologia (Ec) ]
Email de contato: fernandaacsilva@yahoo.com.br

Palavras-chave: Morfometria; Ninfas; Substrato;


Resumo:

Muito se discute sobre a preferência de habitat por imaturos de insetos aquáticos, principalmente no que se diz respeito há a utilização destes como refúgio e fonte de alimentos. Os plecópteros são insetos pouco conhecidos na região neotropical. Poucos são os trabalhos que abordam a preferência de habitat por determinados grupos etários de imaturos, sendo a maioria dos trabalhos, descrições taxonômicas e/ou ecológicas, composição da fauna de riachos e em programas de biomonitoramento. Neste estudo, objetivamos através da morfometria, descobrir se há relação entre o tamanho das ninfas e o tipo de habitat onde foram coletadas. Para isto, foram utilizadas ninfas de Anacroneuria debilis (Pictet, 1841) provenientes do Parque Estadual da Pedra Branca (Rio de Janeiro, Brasil), coletadas em cinco tipos diferentes de substrato: areia (AA), musgo (MM), rocha (PP), folhiço retido (FR) e folhiço de fundo (FF). As ninfas foram medidas com o auxílio de paquímetro digital, onde as medidas da cabeça, dos seguimentos torácicos e total foram aferidas. Foram coletadas 134 ninfas e a análise mostrou a distribuição (%) (média de tamanho)pelos substratos: FR- 81,3%( =8,6mm), FF- 3,7%( =6,2); PP- 11,9%( =7,9), AA- 0,8%( =8,4) e MM- 2,3%( =2,5). De acordo com o exposto, podemos observar que as espécies menores ou em fases mais jovens tendem a utilizar ambientes menores e com menor exposição, como no caso do substrato MM; os substratos AA, PP e FR demonstraram abrigar as ninfas de maior tamanho, uma vez que podemos associar esses à ambientes de transição e locais onde há emergência dos indivíduos mais maduros; no substrato FF há uma também indica um local de transição, apresentando ninfas de tamanhos médios. Em geral, o substrato FR apresentou-se como o mais homogêneo, sendo o que possuiu o maior número de indivíduos e menor amplitude de tamanho, demonstrando que neste ambiente, há ninfas de idades mais próximas. Com base nos resultados, podemos concluir ninfas jovens buscam ambientes com menor exposição, como no MM, enquanto as mais maduras locais com condições que favoreçam a emergência, enquanto as de idade mediana, ambientes propícios à alimentação e crescimento.

 
CAPES, FAPERJ, CNPq